Notícias

14 SET
[Israel tem novo lockdowm a partir de sexta-feira (18)]

Israel tem novo lockdowm a partir de sexta-feira (18)

Devido ao aumento do número de casos, o país irá fechar novamente.
 

Redação Fé Católica
[email protected]

Um novo lockdown de três semanas em Israel a partir das 14 horas da próxima sexta-feira (18), com o início das festas judaicas, mas com uma margem de espaço para algumas atividade econômicas. Esta é a decisão tomada pelo governo do país. Fecharão escolas, restaurantes, centros comerciais e hotéis e os cidadãos enfrentarão restrições à circulação e encontros. "O nosso objetivo é deter o aumento do contágio e conseguir uma menor mobilidade - disse o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, numa mensagem à nação. Sei que estes passos têm um preço alto para todos nós - acrescentou ele -,  estas não são as férias a que estávamos habituados".

A situação no mundo
Entretanto, o vírus não pára nos Estados Unidos, onde existem mais de 6,5 milhões de casos de contágio. A situação é igualmente grave na Índia, onde, pelo terceiro dia consecutivo, foram mais uma vez superados os 90 mil casos de coronavírus. O número de mortes por causa da Covid-19 é de cerca de 80 mil. Foi o que informou o Ministério da Saúde em Nova Deli, que atualizou o número total de pessoas infectadas no país para 4.846.427. Na Europa, estável, mas ainda muito elevado, na França, Grã-Bretanha e Portugal.

Prosseguem os trabalhos sobre vacinas
Pequena diminuição de novos casos na Itália: outros 1.458 em 24 horas. Entretanto, a partir desta segunda-feira, na Sardenha, a ordem de testes obrigatórios no prazo de 48 horas após a chegada à ilha se não se apresentar no momento de embarque um certificado negativo. Entretanto, continua a pesquisa de uma vacina. "A Itália - explicou Domenico Arcuri, comissário extraordinário para a emergência Covid - participa no desenvolvimento de algumas vacinas europeias. Estamos há tempo trabalhando em alguns investimentos italianos importantes. Dentro de algumas semanas anunciaremos os primeiros dois. Queremos ser os primeiros a utilizar as suas doses e, sobretudo, deixar à Itália uma plataforma de pesquisa e desenvolvimento mais competitiva do que aquela que tínhamos antes".

Com informações do Vatican News
Foto: Pexels