Notícias

08 ABR
[Frei Luiz Flávio Loureiro falece em decorrência da Covid-19]

Frei Luiz Flávio Loureiro falece em decorrência da Covid-19

A Missa de Exéquias e do quinto dia do Oitavário da Festa da Penha foi presidida por Dom Dario Campos, Arcebispo de Vitória
 

Redação Fé Católica
[email protected] 

Frei Luiz Flávio Adami Loureiro, morreu aos 72 anos de idade, em Vila Velha, no Espírito Santo na manhã desta quinta-feira, 08. Frei Luiz foi diagnosticado com a Covid-19 e precisou ser internado no dia 21 de março.

Quando estava na casa da sua mãe, Frei Luiz sentiu um mal-estar próprio de gripe. Um médico amigo da família foi vê-lo e sugeriu que fosse ao hospital. Passou a noite na emergência até que houvesse vaga na enfermaria. Embora tivesse sido diagnosticado com Covid, estava evoluindo bem. A saturação, contudo, indicou a necessidade de cuidados mais intensos e no dia 25 de março à noite foi intubado.

O boletim do Convento da Penha, onde residia, no dia 5 de abril informava que Frei Luiz continuava intubado e o quadro geral era estável. Na manhã desta quinta-feira (8), o seu quadro clínico se agravou e Frei Luiz veio a falecer às 6 horas.

A Missa de Exéquias e do quinto dia do Oitavário da Festa da Penha foi presidida por Dom Dario Campos, Arcebispo de Vitória, às 16 horas, no Campinho do Convento, sem a presença do público e em seguida foi feito o sepultamento.

Dados pessoais, formação e atividades

17/02/1949 – Nascimento em Vitória, ES (72 anos)
27/02/1982 – Ingresso no Seminário de Guaratinguetá, SP
20/01/1983 – Ingresso no Noviciado Franciscano em Rodeio, SC
10/01/1984 – Primeira Profissão na Ordem dos Frades Menores (37 anos de Vida Religiosa)
1984-1986 – Estudos de Filosofia
02/08/1988 – Profissão Solene
1987-1990 – Estudos de Teologia
05/05/1990 – Ordenação diaconal
02/02/1991 – Ordenação Presbiteral (30 anos de Sacerdócio)

 Atividades na Evangelização

06/12/1990 – Chopinzinho, PR, vigário paroquial
23/01 1992 – Seminário de Agudos, professor e orientador
16/12/1993 – Seminário de Agudos, pároco
01/12/1997 – São Lourenço, MG, guardião, pároco
22/11/2000 – Nilópolis/NS. Conceição, RJ, Guardião, pároco
07.11.2003 – Nilópolis/NS. Conceição, RJ, Guardião, pároco
20/12/2006 – Sorocaba/Paróquia Bom Jesus, SP, vigário paroquial
16/04/2007 – Sorocaba/Assistente espiritual da OFS/Paróquia Bom Jesus, SP
22/06/2007 – Vila Velha/Convento da Penha, ES,  Atendente conventual
31/07/2008 – Colatina, ES, Coordenador da Fraternidade e vigário paroquial
17.12.2009 – Petrópolis/Sagrado, RJ,Vigário Paroquial
25/03/2010 – Petrópolis/Sagrado, assistende espiritual da OFS
25/02/2016 – Petrópolis/Sagrado, RJ, Vigário da casa
12/12/2018 – São Paulo/São Francisco, SP, Vigário paroquial
10/05/2019 – São Paulo/Assistente espiritual da Pequena Família Franciscana
21/11/2019 – Vila Velha/Convento da Penha, ES, atendente conventual

O FRADE

Frei Luiz é filho do advogado Honório Nascimento Loureiro e da funcionária pública Guidomar Adami Loureiro.

No seu currículo, ele conta que fez o discernimento vocacional aos 17 anos, mas segundo seus pais, desde os 3 anos de idade já dizia que iria ser padre. Antes de ingressar no Seminário de Guaratinguetá, SP, fez o Curso de Ciências Contábeis na Universidade Federal do Espírito Santo. “Eu deixo tudo por amor a Cristo. Quero ser religioso franciscano, para melhor doar-me de corpo e alma à causa do Evangelho de Jesus Cristo”, disse ao ingressar no Seminário.

Sempre muito atencioso e fraterno, Frei Luiz dizia que tinha uma personalidade mais introvertida. Isso não atrapalhava a convivência fraterna: “A vida fraterna não é tão difícil, pois depende de como encaramos os nossos confrades. Cada um tem o seu tipo e um modo de ser. Eu procuro conhecê-los para viver bem”, ensinava. Para seus confrades, era dedicado, atencioso, humano e se relacionava bem com todos.

Gostava de um bom livro, música popular e clássica, futebol e praia. Tinha especial predileção pela liturgia e espiritualidade: “O estudo me faz aproximar mais do Criador”, dizia.

Disciplinado nos compromissos religiosos da Fraternidade e no trabalho pastoral, mas procurava reservar sempre um tempo para se dedicar à oração pessoal. “O trabalho é primordial na minha vida, pois só através dele posso ganhar o meu sustento, mas a oração alimenta minha alma”.

O lema de sua ordenação presbiteral foi: “Como o Pai me enviou, assim também eu vos envio” (Jo 20,21).

 

Com Provincia Imaculada da Conceição do Brasil 
Foto: Reprodução / Franciscanos