Notícias

18 OUT
[Eli Abel se apresenta na missa em homenagem a Santa Dulce dos Pobres e afirma

Eli Abel se apresenta na missa em homenagem a Santa Dulce dos Pobres e afirma "Ela nos impulsiona a seguir seu exemplo"

Há cerca de 18 anos, Eli Abel canta na igreja

 

Em Salvador, a primeira cerimônia em homenagem a Santa Dulce dos Pobres acontece neste domingo (20), na Arena Fonte Nova. Além da abertura com músicos católicos, apresentação do Espetáculo 'Império de Amor', uma missa será presidida pelo Arcebispo de Salvador e Primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger. 

Na solenidade, a cantora Eli Abel da Comunidade Católica Marataná entoará  a Ave Maria, em latim, durante a entronização da Imagem de Nossa Senhora da Conceição da Praia. Em entrevista, ao Fé Católica News, Eli Abel afirmou que foi uma alegria muito grande receber o convite. "Minha expectativa é uma das melhores, para mim é uma responsabilidade muito grande, principalmente porque Irmã Dulce tinha uma ligação muito grande com a Nossa Senhora da Conceição da Praia. Será um momento único, porque quando eu canto a ave maria é como se fosse sempre a primeira vez", justifica. 

Há cerca de 18 anos, Eli Abel canta na igreja. Ela conta que começou ainda na sua Paróquia, no Santuário São Judas Tadeu, na Baixa de Quintas. "Comecei no grupo de jovens assumindo as missas, a partir do meu Crisma que eu senti esse ardor missionário de continuar evangelizando", explica. Eli Abel continua dizendo que foi por acaso, pois ela era muito tímida. " A primeira música que eu cantei na igreja foi um salmo, nessa época após o Crisma, eu me tornei catequista, e depois da experiência de cantar o Salmo, não parei mais", frisa. 

Atualmente, Eli Abel faz parte da comunidade de vida Maranatá. "Sou vocacionada dentro da comunidade de vida, eu abdiquei de tudo para me dedicar 100% a missão", revela.  Na comunidade, além do trabalho missionário, Eli faz parte do projeto 'Um só coração'. "No projeto, nós cantamos em casamentos, mas também evangelizamos para famílias e casais", descreve. 

Ela conta que trabalhou durante 4 anos nas Obras Sociais Irmã Dulce (OSID) e afirma que já era devota de Irmã Dulce, mas foi lá que de fato ela se apaixonou por ela. Para Eli, o maior ensinamento deixado pela primeira santa brasileira é o legado do amor e da ajuda ao próximo. "Ela nos impulsiona a ser como ela e ver o exemplo de Irmã Dulce nos encoraja. Saber que uma mulher que viveu no nosso tempo, que tocou nossa realidade, é possível a partir de seu exemplo percebemos que dá viver a santidade no ordinário da nossa vida, no cotidiano e que possamos ser santos aonde nos estejamos", acredita.