Notícias

03 DEZ
[Dia Internacional da Pessoa com deficiência: Coordenador da Pastoral da Saúde aconselha sobre inclusão de PCD]

Dia Internacional da Pessoa com deficiência: Coordenador da Pastoral da Saúde aconselha sobre inclusão de PCD

O Dia Internacional da Pessoa com deficiência é celebrado nesta terça (3)


No dia 3 dezembro é celebrado o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência.  A data foi criada através de uma Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU), em 14 de outubro de 1992. Em entrevista ao Fé Católica News, o Coordenador Nacional da Pastoral Nacional da Saúde, Alex Gomes da Motta fala sobre os métodos desenvolvidos com os agentes e traz um alerta sobre a necessidade de inclusão das Pessoas Portadoras de Deficiências (PCD's). 

De acordo com o coordenador, uma das principais ações da Pastoral é conscientizar a população em relação aos PCD's, por meio do apoio de agentes. "A partir deles o ideal é propagar uma melhor mobilidade da pessoa com deficiência, em todos os aspectos. Hoje, um dos pontos que mais afeta o portador de deficiência é a falta de mobilidade no transporte público, além das empresas, que não se sensibilizam pelas dificuldades dos usuários. Isso é um grande desafio para  nós como cidadão", destaca. 

Para Alex, o envelhecimento populacional no Brasil é consequência da elevação na perspectiva de vida, um fator positivo, mas todavia os interfaces da questão da mobilidade dificulta o acesso ao PCD.  "A Pastoral da Saúde orienta os seus agentes para que levem essas informações na comunidade e busquem soluções dentro das instituições de cada realidade", frisa. 

O coordenador afirma que este ano ainda não se criou nenhum projeto de ação na Pastoral devido a questão econômica e política do país. "Existem retaliações e estamos em busca da mudança do perfil de mobilização para que não tire os direitos do cidadão, independente da pessoa com deficiência, o que já afeta o cidadão sadio, quanto mais o cidadão com deficiência. Estamos tentando junto com os conselhos municipais, estaduais  e nacional de saúde o fortalecimento das entidades sociais", revela. 

Ao falar sobre o trabalho da Pastoral, Alex comenta que ela atua como um todo diferente da Pastoral do Idoso, Pastoral da Aids e a Pastoral da Criança, a "Pastoral da Saúde é o 'clínico geral', "elucida. "Focamos para encaminhar as pastorais mais específicas, e trabalhamos com esse foco,  a partir da identificação da necessidade e orientamos o agente para que possa encaminhar para gente tentar reaver, viver a questão da pastoral de conjunto, agregar as pastorais para que elas possam caminhar juntas", fala. 

No que diz respeito, ao trabalho do agente ele frisa que a questão econômica afeta todo um conjunto da população e certamente afeta as questões das obras sociais, "o que dificulta o translado do agente de Pastoral para exercer o seu papel de cidadão", diz. "Ele se coloca em missão, em serviço e nem sempre é perto de sua casa, isso dificulta, mas isso não nos desestimula, pelo contrário a gente sempre se motiva para equacionar essa dificuldade", admite. 

O coordenador menciona que para o enfrentamento destas a motivação das comunidades é fundamental. "Estimulamos elas a participarem das formações, ações e a partir destas eles possam entender melhor e buscar os direitos e estar informado sobre estes", explica. 

Há mais de 25 anos, enquanto agente da Pastoral e atualmente no segundo mandato da Coordenação, Alex diz que teve um grande como leigo, participando dentro da comunidade e buscando sempre o melhor. "Não é o Alex sozinho, mas o trabalho em conjunto. Cada um é importante dentro do trabalho que é feito dentro da comunidade", ressalta.  

Para os que desejam participar da Pastoral, Alex aconselha que é preciso "estar inserido dentro das comunidade eclesial, sentir tocada pela Pastoral, colocar-se a disposição e agregar a outros agentes para dinamizar a atividade", elenca. "Nosso Deus nos dá os dons e cabe a nós identificar este", pontua. "Como nós saímos do Laicato ano passado, que agente continuem sendo Sal e Luz da Terra e perseverem no caminho; aos que não são agentes se disponibilizem ao serviço", convida.