Facebook Instagram WhatsApp Twitter

Fé Católica - Sempre Presente

Nossos Parceiros

Parceiros
Parceiros
Parceiros
Parceiros
Parceiros
Parceiros
Parceiros
Parceiros
Parceiros
Parceiros
Parceiros
Parceiros
Parceiros
Parceiros
Parceiros
Parceiros

Colunas

Jesus, manso e humilde!

10/07/2017 às 17:07.

Na nossa vida, sempre procuramos cultivar bons laços de amizades, amor e carinho não só com os nossos familiares, mas, principalmente, com aquelas pessoas que nos querem bem. Porém, no caminho oscilante das nossas vidas, vivenciamos alegrias e tristezas, angústias e sofrimentos.


 


Na maioria das vezes, procuramos nos nossos amigos um lugar de refúgio. Contudo, nem sempre eles conseguem nos corresponder. Aí o que já era ruim, torna-se ainda pior, nos sentimos sozinhos e abandonados.


 


É muito triste quando depositamos a nossa confiança nas pessoas/situações/instituições e elas nos decepcionam. Como popularmente se diz, “a quebra de confiança é o fim de tudo” ou a “confiança não se dá nem se toma emprestada, se conquista”. Confiar é acreditar na sinceridade e nas boas intenções.


 


Certamente, no Antigo Testamento, você já ouviu falar de um povo que era escravo no Egito. Deus toma esse povo como seu e com ele estabelece uma aliança. Essa aliança é construída pela fé que esse povo deposita nesse Deus. Contudo, por ser uma fé frágil, é “abalada” pelas circunstâncias da vida como, por exemplo, a falta de água e de pão (cf. Êx. 16-17).


 


Em certos momentos, o povo de Israel sentia certa desconfiança de Deus. Eles não acreditavam que o mesmo Deus que os libertara das mãos do faraó e lhes prometeu uma terra onde corre leite e mel (cf. Êx. 33, 3) estaria com eles para o que desse e viesse, como se diz popularmente. A desconfiança é exemplificada no pedido que os israelitas fazem a Aarão: “faze-nos um deus que marche a nossa frente, porque esse Deus de Moisés, que nos tirou do Egito, não sabemos o que é feito dele” (Êx. 32).


 


No Novo Testamento, encontramos a pessoa de Jesus. A Palavra que se faz carne e habita no meio de nós, conforme narra o evangelista João, se revela como caminho, verdade e vida (cf. Jo. 14, 6). Jesus se apresenta como o caminho que leva até o Pai, a verdade que aponta para o Pai e a vida que se doa, para que não se perca nenhum daqueles que o Pai lhe confiou. Isso para a caminhada do cristão já é suficiente. Com Jesus, o cristão tem o modelo a quem deve seguir para chegar ao Pai.


 


Diferentemente das fraquezas que encontramos em quem a gente confia os nossos sofrimentos e angústias e os desencantos que a vida nos apresenta, Jesus vai mais além. Não se limita a se revelar somente como a Palavra que se faz carne e como caminho, verdade e vida. Ele se apresenta para todos como “manso e humilde de coração” (cf. Mt. 11,29).


 


Eis a pessoa em quem devemos depositar a nossa confiança. A esperança em Jesus não decepciona (cf. Rm. 5,5). É em Jesus que encontramos descanso, pois, o Seu “jugo é suave e o fardo é leve” (cf. Mt. 11, 30).


 


Às vezes, nas nossas vidas, depositamos a nossa confiança, as nossas esperanças em pessoas/coisas que não acrescentam em nada na nossa caminhada, pelo contrário, pessoas que muitas vezes querem o nosso mal, o nosso insucesso. Temos que ter “cuidado com os falsos profetas. Eles vêm vestidos como ovelhas, mas por dentro são lobos devoradores” (cf. Mt. 7, 15).


 


Temos que ter alegria e depositarmos a nossa confiança n’Ele, pois, eis que “o rei vem ao nosso encontro, Ele é justo e nos salva” (cf. Zc. 9,9). Como nos diz o salmista, “o Senhor é muito bom para com todos, Sua ternura abraça toda criatura” (cf. Sl. 144, 9).


 


Peçamos à Virgem Maria, a mãe de Jesus e nossa, que interceda por nós junto ao seu Filho. Ela que acreditou e confiou nos planos de Deus. Ela que sempre guardou tudo em seu coração. Feliz foi Maria, porque acreditou e depositou a sua confiança no amor de Deus por ela. Que o Espírito Santo nos auxilie na difícil caminhada que é a nossa vida! Que Ele nos ajude a sempre depositarmos a nossa confiança em Jesus porque Ele é caminho, verdade e vida mas, sobretudo, Ele é manso e humilde de coração.


 


Autor: seminarista Ícaro Marcos Soledade Oliveira


Revisão ortográfica: Nelmira Moreira





Seminarista Ícaro Marcos Seminarista Ícaro Marcos