Facebook Instagram WhatsApp Twitter

Fé Católica - Sempre Presente

Nossos Parceiros

Parceiros
Parceiros
Parceiros
Parceiros
Parceiros
Parceiros
Parceiros
Parceiros
Parceiros
Parceiros
Parceiros
Parceiros
Parceiros
Parceiros
Parceiros
Parceiros

Colunas

Quanto vale uma vida?

06/02/2017 às 09:02.
Abrimos a Bíblia e encontramos logo na primeira página a expressão “Deus criou o homem à sua imagem e semelhança...” (Gên 1). Seja para nós cristãos, seja para outras religiões, Deus é sempre Deus e outro não é, senão o protetor do homem. O homem sempre fala em Deus e de Deus. Evoca-O como o tudo da sua vida, etc. e tal.
Aqui no Ocidente como em outras regiões do planeta, ontem como hoje, outrora em longínquos tempos, as guerras entre povos, tribos, raças, nações existiram, embora todos sempre estivessem falando em direitos e sobretudo o direito à vida, à propriedade, à nacionalidade. Embora somente em meados do século XX a comunidade política internacional através da ONU tenha firmado o precioso documento chamado “Declaração Universal dos Direitos Humanos”, as bases desse texto já eram conhecidas desde a Idade Média através de estudos de setores da Igreja Católica (vide Francisco de Vitória e outros teólogos católicos).
Entretanto (sempre temos os senões!), os dias atuais, graças talvez à grande transparência dos mass media, o problema dos direitos humanos tem sido algo tão absurdo que até parece estarmos vivendo no “mundo das idéias” ou das “virtualidades”. É real o que nossos olhos vêem e o que nossos ouvidos ouvem diariamente acerca da violência em todos os rincões deste planeta?
Matam-se seres humanos como se fôssemos um bando de formigas, moscas, baratas ou qualquer tipo de insetos nocivos à nossa convivência.
Criminalizam-se todo e qualquer tipo de maus tratos a animais....enquanto milhares de seres humanos (recordemos: imagem de Deus!) são assassinados ou nas clínicas abortivas, ou nos presídios, ou nas ruas e praças das cidades ou até mesmo no interior das residências e dos espaços de trabalho. Direitos humanos não são senão retórica ultrapassada de oradores saudosistas; o que conta agora é o discurso politicamente correto dos defensores dos animais. Viva a bicharada...abaixo a humanidade, soltem-se os cachorros e prendam-se e degolem os homens; abortem as crianças e, se necessário, matem a mãe, mas não deixem sofrer a cachorrinha suzy ou o gatinho... sei lá o que!
Meu Deus, mais de 50 mil homens mortos anualmente neste país, de maneira cruel, não fere a consciência de mais ninguém, quiçá nem mesmo dos seus familiares?!!! Onde está o batismo que todos recebemos um dia na Igreja Católica ou noutra de identidade cristã, batismo que nos torna filhos de Deus no Filho Jesus e nos recorda que desde o princípio já somos filhos de Deus, sua imagem e sua semelhança? Este país ainda pode se dizer cristão?